Dê um Nome ao Seu Próprio Exoplaneta

IAU100 NameExoWorlds dá a todos os países do mundo a oportunidade de atribuir um nome a um exoplaneta e à sua estrela hospedeira. Campanha portuguesa arranca em 1 de Outubro.

No âmbito das comemorações do seu 100º aniversário, a União Astronómica Internacional (IAU) está a organizar a iniciativa global IAU100 Name ExoWorlds, que permitirá a qualquer país do mundo atribuir um nome popular a um exoplaneta selecionado e à sua estrela hospedeira. Já há mais de 70 países inscritos para organizarem campanhas nacionais que darão ao público a oportunidade de votar no nome preferido. O objetivo desta iniciativa é sensibilizar-nos sobre o nosso lugar no Universo e levar-nos a refletir sobre como poderá a Terra ser observada por civilizações em outros planetas. Em Portugal, os aficionados poderão propor nomes até 28 de Outubro.

Nos últimos anos, os astrónomos descobriram milhares de planetas e sistemas planetários a orbitar estrelas próximas. Alguns são pequenos e rochosos como a Terra, outros são gigantes gasosos como Júpiter. Acredita-se que a maioria das estrelas no Universo possui planetas em órbita e que alguns deles poderão ter características físicas semelhantes às da Terra. Se tivermos em conta o grande número de estrelas no Universo, cada uma com potenciais planetas em órbita, e a ubiquidade de compostos prebióticos, então a vida extraterrestre torna-se algo bastante provável.

A IAU é a autoridade responsável por atribuir nomes e designações oficiais aos corpos celestes. Ao celebrar 100 anos dedicados a incentivar a colaboração internacional (IAU100), a IAU deseja, com este importante sinal de identidade global, contribuir para uma maior confraternização entre comunidades. Esta é a segunda vez na história que é lançada uma iniciativa deste tipo. A primeira iniciativa NameExoWorlds, que viu serem atribuídos nomes a 19 exoplanetas, foi realizada em 2015. Desta vez, e no âmbito do projeto IAU100 NameExoWorlds, a IAU irá oferecer a cada país a oportunidade de atribuir um nome a um sistema planetário (exoplaneta e respetiva estrela hospedeira). A estrela designada para cada país é visível no céu do próprio país, sendo suficientemente brilhante para poder ser observada através de pequenos telescópios.

“Este evento fantástico convida pessoas em todo o mundo a pensarem no nosso lugar comum no Universo, estimulando a criatividade e o espírito de cidadania global,” disse Debra Elmegreen, Presidente da IAU. “A iniciativa NameExoWorlds recorda-nos que partilhamos todos o mesmo céu.”

Depois de selecionar cuidadosamente uma grande amostra de exoplanetas bem estudados e confirmados [1] e respetivas estrelas hospedeiras, o Comité de Direção da iniciativa IAU100 NameExoWorlds designou para cada país um sistema estrela-planeta, levando em conta a visibilidade da estrela a partir do terreno e também a sua associação ao país.

Os Coordenadores Nacionais para a Divulgação (NOCs – National Outreach Coordinators) criaram em cada país participante um comité especial para a realização da campanha a nível nacional. Os comités nacionais, seguindo a metodologia e as diretrizes estabelecidas pelo Comité de Direção da IAU100 NameExoWorlds, são os órgãos responsáveis por promover o projeto, fornecer condições para a participação do público e estabelecer um sistema de votação.

As Campanhas Nacionais realizam-se de junho a novembro de 2019. Em dezembro de 2019, após a validação final pelo Comité de Direção da IAU100 NameExoWorlds, os resultados globais serão anunciados. Os nomes vencedores serão usados livremente em paralelo com a nomenclatura científica existente, com devido crédito às pessoas que os propuseram.

Em Portugal, a Campanha Nacional está a ser organizada pelo Núcleo Interativo de Astronomia (NUCLIO), sob a chancela da Sociedade Astronómica Portuguesa (SPA). As propostas de nomes poderão ser enviadas a partir de 1 de outubro. Podem participar escolas, universidades clubes de astronomia e agremiações culturais. O regulamento completo de participação e o formulário de envio de propostas estão disponíveis no website https://iau100-portugal.org/nameexoworlds/.

Notas
[1] A campanha NameExoWorlds selecionou para a atribuição de nome sistemas planetários compostos por planetas a orbitar estrelas que podem ser observadas com um pequeno telescópio a partir da latitude da capital de cada país. O sistema tem, em muitos casos, ligação ao país designado, como, por exemplo, instalações usadas ou cientistas envolvidos na descoberta. A existência do planeta é em geral mais segura em sistemas que foram descobertos mais cedo, já que mais anos de investigação permitem confirmar se a deteção resiste a exames mais detalhados. Por este motivo, a amostra incide em planetas descobertos durante as primeiras duas décadas de busca de exoplanetas, na maior parte dos casos antes de 2012. Os brilhos visuais variam entre a 6ª e a 12ª magnitude. Os planetas foram descobertos através do método de espectroscopia Doppler (velocidade radial) ou do método do trânsito e todos com telescópios colocados no solo. São provavelmente gigantes gasosos, semelhantes a Júpiter e Saturno, com massas estimadas entre 10% e 500% a massa de Júpiter. Todos os sistemas são compostos por apenas uma estrela e um planeta conhecido em órbita. É, no entanto, possível que existam outros companheiros (planetas ou estrelas) que possam vir a ser detetados no futuro. Desta forma, pretende-se que cada país tenha a mesma oportunidade de nomear corpos celestes semelhantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *